blog-post-img-2446

Dirty Pop

Olá, pessoal! Pra quem achou que eu não ia aparecer… Shazam! E resolvi trazer pra vocês uma listinha bem bacana. E nada mais bacana que boa música, certo?

Ok, tem coisa melhor, mas o horário é inadequado pra isso (ou ao menos para sua divulgação). Fiquemos com as músicas.

Bom, todo mundo sabe o que é um cover. Não? Explico: músicas regravadas por outros artistas. Às vezes, ficam tão diferentes que merecem menções à parte pela criatividade de quem refez o trabalho. Bom, chega de falatório, né? Nesse post, divido 10 covers deliciosas de músicas consagradas no mundo pop – e das quais você, rebelde, passa longe, mas agora pode ouvir sossegado, em seu meio super indie. Espero que gostem dessa seleção e que elas embalem os sábados à noite. Vamos lá.

10 – Teardrop

Quem é fã de House lê isso e já espera o episódio começar. Essa música do Massive Attack é o tema de abertura da série. Mas para os timbres pesados e meio Techno dessa banda, há uma alternativa simples e mágica feita por Jose Gonzalez, que já trouxe para o violão monstros como o Joy Division. Acha que não deu certo? Ouça por si mesmo.

9 – Womanizer

Não é segredo que não sou fã da princesinha do pop – que deveria ser Paris Jackson, herdeira suprema do trono do Rei – Bitchney Spears. Admito, gosto de algumas músicas, mas não gosto muito dela. Essa “canção” eu detesto. Mas precisamos reconhecer o trabalho do Franz Ferdinand: o que era lixo ficou Cult nas mãos da banda.


8 – Poker Face

Verdade seja dita. ODEIO as músicas dessa tal de Lady GaGa. Mas – infelizmente – a mulher faz um sucesso estrondoso. Povo adora as musiquinhas grudentas dela. E eu, vou fazer o quê? Procurar um cover que agrade e não seja tão chatinho aos meus ouvidos quanto a original. E a parte surpreendente é que achei uma versão bem legal dessa música, feita pelo Absent Elk. Confiram.


7 – Larger than Life

Este foi um dos grandes sucessos do Backstreet Boys – não adianta esconder a cara no teclado, você sabe a coreografia até hoje. Acredito que poucos cogitaram versões dessa música. Alguns arriscaram. E deu certo, de um jeito estranho. Vejam só os Foo Fighters tocando um trechinho:

A rock edition. O apresentador cantou a bola, mas acho que ele não esperava – ou qualquer outro ser vivo – que fosse tão pesado: a banda finlandesa HIM fez um cover – e repetiu várias vezes em shows – totalmente dark. Quem diria, os Evil Backstreet Boys. Ouça a música e tente reconhecer nela algum traço pop:


6 – Crazy in Love

Quando Beyoncé iniciou sua carreira solo com esse hit, muita gente elogiou (o rebolado) e muita gente criticou (as atitudes), sem prestar muita atenção no que ela lançava. Fato: no primeiro álbum, tinha muita coisa boa. Outro fato: Crazy in Love NÃO estava inclusa nessa categoria. Música enlatada pra vender, e nada mais. Mas sempre tem quem goste e resolva pagar seu tributo, não? O Switchfoot pagou, e eis que veio ao mundo uma versão bacana dessa música da Beyoncé. Vale a pena ouvir.


5 – Cry Me a River

Todo mundo adorou o debut do JT – aka Sexyback – going solo. Um dos pouquíssimos filhos de boyband que voltou com respeito dos grandes – e críticas positivas. O povo admirou a coragem dele de cantar essa música em particular, conhecida nas mesas de bar como “melô do corno 2.0”. Falem à vontade. Todo mundo cantou no chuveiro a plenos pulmões, exorcizando memórias da adolescência. Claro, não poderia faltar uma cover bacana: eis que o New Found Glory trouxe ao mundo essa versão super punk e revoltada.


4 – Hot n’ Cold

Kate Perry causou muito ao lançar I Kissed a Girl, mas ironicamente, as versões dessa música são um horror. Mas… Essa banda de rockabilly gravou uma versão bem interessante de Hot n’ Cold, outra música dela. Aliás, eles tem versões de vários outros sucessos pop, inclusive essa maravilha da Beyoncé e essa aqui da Ciara. Vale a pena ouvir – se quiser fazer uma festinha de rockabilly, já tem trilha sonora!


3 – Fell in Love with a Boy/Girl

Com os White Stripes, ficou gostosa. Não tem como não gostar. Ela convida a gente pra dançar e cantar a noite toda. Mas convenhamos, no original falta algo… Sexy. E a Joss Stone entendeu o recado, complementou e eis que todos nós ganhamos uma EXCELENTE trilha sonora para relações sociais sem fins reprodutivos. Eu recomendo, satisfação garantida. (woot)


2 – When You Were Young

Todo mundo AMA The Killers. E parece até pecado fazer cover de qualquer música deles – principalmente dessa, considerada a melhor canção deles EVER MADE. Mas as meninas do Noisettes, que não são pouca coisa, toparam o desafio e fizeram uma versão sublime – no pior dos elogios – que conseguiu não só chegar aos pés, mas se igualar à beleza e à emoção da original. Não acredita? Aperta o play!


1 – I Will Survive

A pop das pops. Mãe de várias outras músicas do gênero “você se foi mas eu sou melhor que isso”, Gloria Gaynor fez um hino para várias gerações. É uma canção épica.

ÓBVIO que alguém ia pagar seu tributo a essa música fenomenal. A bola da vez foi o Cake. Essa gravação já é velhinha, mas não sai de moda. Enquanto Gloria entoa I Will Survive de modo mais vibrante – quase pisando no ser que ousou abandoná-la um dia – o Cake já dá um tom mais triste. Você pode escolher entre ser feliz por ter sobrevivido, com a mestra, ou murmurar como se contasse as memórias de um veterano de guerra, pelo aprendiz. É só conferir.

&nsp;

Por enquanto, é só. Essa foi só a primeira edição, viu? Quarta que vem, tem mais. =)

Lekkerding 237 posts

Cúspide e Gêmeos e Câncer. Corinthiana não praticante. Indie até os ossos. Advogada. Blogueira. Eterna estudante. Jogadora de handebol e de rugby, aposentada compulsoriamente. Fã de cerveja, de um bom papo, da internets e da (boa) política. Amante de David Bowie e de Florence & the Machine. Chata. Sem mais.

"Quem sabe respirar o ar de meus escritos sabe que é um ar das alturas, um ar forte. É preciso ser feito pra ele, senão há o perigo nada pequeno de se resfriar. O gelo está próximo, a solidão é monstruosa (...) Quanta verdade suporta, quanta verdade ousa um espírito? Cada vez mais tornou-se isto pra mim a verdadeira medida de valor. Erro não é cegueira, erro é covardia... Cada conquista, cada passo adiante no conhecimento é consequência da coragem, da dureza consigo, da limpeza consigo... Eu não refuto os ideais, apenas ponho luvas diante deles... Lançamo-nos ao proibido: com este signo vencerá um dia minha filosofia, pois até agora proibiu-se sempre, em princípio, somente a verdade."

Friedrich Nietzsche

Porque toda semana - lembrem-se, minhas semanas são relativas - deixarei algo bacana pra vocês verem/ouvirem. Espero que gostem das escolhas.