blog-post-img-2443

EPIC movies

Olá, pessoal! Estamos no meio do inverno, e Game of Thrones já encerrou a primeira temporada – cuidado ao sair por aí no escuro, os Outros podem ver. Mas enfim. Estamos órfãos novamente… Ou não. Algumas séries já estréiam a mid season com força total, como The Big C e Weeds. Os cinemas estão repletos de ótimas atrações: confira a rede Cinemark mais próxima aqui. E claro, aqui no Hipnoseries estamos sempre alertas para dar nossas dicas sagazes.

Já que falei em Game of Thrones, lembrei de algo muito mencionado pelos fãs: a época da série. Apesar do enredo d’As Crônicas de Gelo e Fogo não pertencer a nenhuma época conhecida, os costumes de Westeros lembram eras medievais. E quem não gosta? Todo mundo gosta.

Filmes e séries de época cativam os espectadores com seu jeitinho peculiar de nos transportar para outro mundo, que surpreendentemente, é todo nosso. É com eles que conseguimos entrever detalhes da história do mundo, e da origem de muito do que temos hoje. Eles também trazem mágica para os tempos modernos; na “antiguidade”, era perfeitamente possível – e plausível – viver um conto de fadas.

Aproveitando a deixa, trago a todos uma listinha cheia de nostalgia: as 10 melhores obras da TV e do cinema de época, pra ver, guardar, sonhar, se inspirar… Lá vai.

Cold Mountain

Amor e guerra. Dois temas recorrentes na História, e que enlouquecem o ser humano. Nicole Kidman e Jude Law protagonizam um conto envolvente e singelo; algo que pode ser real, inclusive – são muitos os descendentes de desertores da guerra civil dos EUA. Quem nos garante que nenhum deles tem uma história de amor como essa na família? Cold Mountain é romântico, é lindo e mostra um pouco dos EUA naquele tempo. Vale a pena assistir.

The Virgin Queen

Falei dos contos de fadas reais por isso. Esta é uma história incrível, mas que aconteceu: de princesa a bastarda, e de desgraça de um país à Gloriana Regina. Elizabeth Tudor tem seu reinado envolto em misticismo. Quem não quer ver – e viver – a mulher que desafiou um mundo inteiro para provar o valor de seu gênero – e a possibilidade de convivência entre religiões? Temos muitas adaptações da vida de Elizabeth Tudor por aí. A mais recente esteve nos cinemas, com Cate Blanchett. The Virgin Queen é uma minissérie de 2005, produzida pela BBC, que põe foco nos aspectos mais míticos da trajetória de Elizabeth Tudor. A trilha sonora das Medieval Babes é tão boa quanto o elenco: Tom Hardy, Anne-Marie Duff e Kevin MacKidd fazem uma história maravilhosa. Não perca.

Memórias de uma Gueixa

Ah, o Japão. Um dos países mais famosos do Oriente, e permaneceu fechado ao Ocidente por muito tempo. A curiosidade sobre a vida nipônica é enorme, e nem os mais dedicados conseguem compreender plenamente a beleza do estilo japa. Neste caso, tanto o filme quanto o livro trazem flashes de uma época mágica – e que por alguma razão, sobrevive. A figura da gueixa é uma das mais celebradas do país, e as que se dedicam a esta nobre vida são consideradas tesouros nacionais.

A Muralha

O Brasil também tem campeões nessa área. Vai dizer que você, leitor, nunca imaginou como foi a chegada dos portugueses nessa Terrinha de Vera Cruz? Quando a Rede Globo sabia produzir bons programas, cuidou de vários momentos da história brasileira em minisséries – e A Muralha trata das primeiras entradas e bandeiras. A trama retrata bem os pensamentos e costumes atribuídos às pessoas dessa época.

Malcolm X

O título dispensa comentários. Pra quem sonha em saber como foi a época das revoluções modernas, que tal assistir uma biografia de um de seus protagonistas? O filme de Spike Lee e a atuação sublime de Denzel Washington já são motivos suficientes.

Cadillac Records

Essa vai para os fãs do bom e velho rock n’ roll. Quer saber quem pariu o rock? Quem são os deuses que devemos idolatrar para o resto da vida? Então, assista este filme de Darnell Martin, que cobre 20 anos de história musical e mostra quem mudou as regras do jogo pra sempre – aleluia, meus ouvidos agradecem.

Ligações Perigosas

A França do século XVIII traz muitas perguntas. O monte de cerimônia, de rococó, de ócio e de fofoca… Como é que as pessoas viviam? Como se livravam do tédio? Pois bem. O filme de Stephen Frears adapta a obra de Choderlos de Laclos de forma esplendorosa e esfrega na cara do espectador como se vivia na França antes. Se você não gosta da Contigo e de outras revistas de celebridades, assista a este filme e saiba de quem é a culpa por isso existir!

Os Intocáveis

Pra quem gosta da época em que ser policial era ser o mocinho, de verdade. E também pra quem gosta da época dos grandes vilões do crime organizado – que não lembram em nada os mequetrefes de bermuda e chinelo atuais, esfregando armas na cara alheia como se tudo se resumisse a ferro. Este é um clássico do cinema contemporâneo, e narra uma história real: a caçada do agente Eliot Ness, membro da força policial que mais tarde seria mundialmente conhecida como FBI, a Al Capone, um dos lendários chefões do crime. Vale a pena ver esse filme – e talvez se inspirar nele. Quem sabe?

Rome

Essa série de 2 temporadas tem o selo de qualidade HBO: fiel, crua e muito, mas muito bem feita mesmo. E pra quem se interessa por esse período da História do mundo… É perfeita! Rome é entretenimento e cultura, com uma pitada de porn. Crianças, saiam da sala.

Ágora

Neste filme de Alejandro Almenabar, vemos o início da Idade Média – e do domínio da estupidez e do fanatismo religioso nesta terra. Rachel Weisz encarna e conta um pouco (porque não podemos esquecer que todo filme biográfico tem um quê de novela) da vida de Hypatia, uma das mais brilhantes filósofas e cientistas de sua época, assassinada brutalmente por suas crenças: uma pagã em plena ascensão do Catolicismo. Ela realmente não tinha chance. É um bom filme, e traz uma lição que pode bem ser aplicada nos dias atuais.

Razão e Sensibilidade

Uma história leve e romântica, que mostra o Reino Unido no auge do reinado da Rainha Victoria. A simplicidade do enredo é envolvente. Neste filme, também conhecemos um ancestral do Dr. Gregory House! Hugh Laurie está no elenco, com um personagem sarcástico e mal humorado que lembra bastante o médico de Princeton-Plainsboro.

Forrest Gump

Sim, porque é um filme de épocas. Acompanhar a trajetória do garoto meio abobado e ver os eventos mais importantes da história pelos olhos dele é emocionante. O que mais posso dizer? Neste filme, não vemos somente uma parte de um grande evento, mas o que o curso de vários eventos trazem às pessoas. E cabe o pensamento: o que os últimos acontecimentos da História trouxeram pra você?

Vincere

Muito se diz sobre os regimes totalitários que assolaram o mundo no século XX. O nazismo alemão é o mais gritante destes exemplos. Mas a verdade é que o totalitarismo nasceu em cada país que dominou de um jeito diferente. Pouco sabemos, por exemplo, do que houve na Itália; este filme mostra algumas facetas do regime fascista comandado por Mussolini.

Coco Antes de Chanel

Você, leitora fashion e feliz… Gosta das suas calças? Das blusas lindas e confortáveis? Gosta de ter estilo? Então conheça uma das responsáveis por tudo que você tem hoje. Coco Chanel, não revolucionou só a moda; ela redefiniu o vestuário de muita gente e criou o tal do estilo.

Herói

Alguns acham que filme com o Jet Li no meio só pode ser um monte de pancadaria sem pé nem cabeça. Erro mortal. Apesar de ter maluquices e espadas voando pra todo lado, o filme de Zhang Yimou retrata (um pouco) a China que não conhecemos e leva todo mundo para uma dimensão extraordinária. E não, não é pura ficção. É arte e filosofia com uma pitada de história real. Recomendo vivamente.

Gerônimo

É difícil pras chamadas “nações civilizadas” falarem das barbáries que fizeram com os verdadeiros donos da terra. Mas sempre há alguém disposto a esfregar nossas vergonhas na telona, pra todos verem, certo? O diretor de Tropa de Elite já fez isso, Steven Spielberg também fez – e pegou gosto pela coisa, pois SEMPRE faz isso – e o Oliver Stone também. E então tem o Walter Hill, que foi lá e fez Gerônimo – Uma Lenda Americana. Este filme fala de um dos poucos índios que viveu e aprontou bastante contra o regime que lhe foi imposto pra ser lembrado. Acho que vale a pena assistir, e vale a lição que deixa também. Passamos da hora de aprender a respeitar o diferente.

Desejo

Eu disse, não disse? Houve um tempo em que a Globo sabia produzir bons programas de TV e até contribuía pro aprendizado da garotada. E essa minissérie relata – com uma fidelidade quase surreal – um episódio muito triste e curioso da história do Brasil: as circunstâncias da morte de Euclides da Cunha, escritor de Os Sertões, relato fiel da Guerra de Canudos. A história de Euclides e de sua esposa até hoje move discussões acaloradas – o assunto é tão intenso que quase se equipara ao enigma de Capitu. Assista, e venha opinar também!

O Incrível Exército de Brancaleone

Histórico e com muito humor. Quase o ancestral de Monty Phyton. Só assim pra definir essa filme do falecido Mário Monicelli, que faz muitas e muitas paródias dos costumes da Europa feudal. Até faltam palavras pra descrever – porque começo a rir, lembrando do filme. Recomendo vivamente!

E chega, não? Na próxima postagem, é a vez da Lys mostrar algo bem divertido. Não percam! =)

Lekkerding 237 posts

Cúspide e Gêmeos e Câncer. Corinthiana não praticante. Indie até os ossos. Advogada. Blogueira. Eterna estudante. Jogadora de handebol e de rugby, aposentada compulsoriamente. Fã de cerveja, de um bom papo, da internets e da (boa) política. Amante de David Bowie e de Florence & the Machine. Chata. Sem mais.

"Quem sabe respirar o ar de meus escritos sabe que é um ar das alturas, um ar forte. É preciso ser feito pra ele, senão há o perigo nada pequeno de se resfriar. O gelo está próximo, a solidão é monstruosa (...) Quanta verdade suporta, quanta verdade ousa um espírito? Cada vez mais tornou-se isto pra mim a verdadeira medida de valor. Erro não é cegueira, erro é covardia... Cada conquista, cada passo adiante no conhecimento é consequência da coragem, da dureza consigo, da limpeza consigo... Eu não refuto os ideais, apenas ponho luvas diante deles... Lançamo-nos ao proibido: com este signo vencerá um dia minha filosofia, pois até agora proibiu-se sempre, em princípio, somente a verdade."

Friedrich Nietzsche

Porque toda semana - lembrem-se, minhas semanas são relativas - deixarei algo bacana pra vocês verem/ouvirem. Espero que gostem das escolhas.