blog-post-img-919

Faça sua escolha

A vida é simples. As coisas são simples. As pessoas… São muito simples.

É tudo simples. Qualquer complicação que surja é resultado das suas escolhas. Você sempre pode optar por simplificar, ou complicar. Seja pela ação, pela omissão, pela simples aceitação dos fatos… O silêncio é a pior das escolhas.

Qui tacet, consentire videtur. Sábios os romanos, não? Quem nunca se manifesta, deixa que façam o que querem. É a vida.

No filme Dogma, há uma das melhores definições da noção humana de Céu e Inferno já ouvidas por esta cobaia que vos fala. “O Inferno é a ausência de Deus. É passar a eternidade sem aquilo que te faz ser quem você é.” Recomendo a sessão pipoca, mas convido antes à reflexão. Porque às vezes, o inferno é nossa ausência de onde mais deveríamos marcar território. O inferno é escolha nossa.

Projetar em outro o prejuízo das suas escolhas é ilusório. As pessoas – eu repito – fazem suas próprias escolhas. Em todos os aspectos. É você quem lança os dados, e não adianta culpar o próximo por seus números não caírem redondos.

Não, este não é um texto existencial. Parece, não? Mas acredito que todos estejam vendo a movimentação. Está chegando a hora de fazermos – de novo – uma escolha. Fazemos dessas todos os dias. Todas elas são importantes. As notícias que você escolhe ler, e as que escolhe ignorar. As palavras que escolhe proferir e silenciar. As rotas de trânsito que escolhe fazer, ou desviar.  São suas escolhas. E suas consequências, quando as palavras saem tortas. Também é seu o ônus do congestionamento da rota que escolheu. É seu ônus não saber que a greve começou em algum lugar importante, pois você ignorou as notícias. É você quem escolhe. E você arca com todas as consequências dessas escolhas. Você escolhe o céu. E o inferno também.

É bom colocar a culpa nos outros – principalmente quando a escolha dos outros traz consequências a você. Mas às vezes, não podemos fazer isso. O engraçado é que sempre fazemos.  A pergunta: daqui a pouco, quando for hora de escolher de novo, vamos repetir o ciclo? Ou vamos tomar responsabilidade por nós mesmos?

A vida é feita de escolhas. O país também. O estado, idem. A cidade segue a mesma trilha. Você é o que você escolhe.

As eleições estão aí, novamente. Você tem uma escolha a fazer. Você poderá escolher entre ser aquele que nunca liga pra nada, vota no candidato com as melhores piadas “só pra zoar” e passa 4 anos falando mal “do governo”, sem nunca pensar no que escolheu; ou ser aquele que para pra pensar no que seria melhor pra você onde você vive e passa 4 anos cuidando da sua casa. Claro, isso também depende do quão disposto você está em aceitar sua responsabilidade nisso. Você sempre pode escolher não se responsabilizar e usar o discurso do “nunca vai mudar”, “só tem corrupção”, “não adianta lutar”, “não tem por que pensar nisso”, “pago pra fazerem o meu serviço”, “não é problema meu, não votei nesse ser” e outras máximas. Você pode se responsabilizar, ou viver no inferno da sua ausência e das muletas acima listadas.

Tudo depende das escolhas que fazemos. Querendo ou não, as ruas são suas pra usar. O trânsito é seu pra aguentar. As greves são suas pra aturar. Os impostos são seus pra pagar. As escolas são suas pra aprender.  Depende do que você vai escolher. As suas ações, omissões, aceitações e silêncio podem mudar tudo, pra todos. E pra você também.

Não complique as coisas fazendo as piores escolhas, e projetando a culpa nos outros. Se você, tendo breve noção dos últimos 30 anos de política nacional, elege Paulo Maluf, não adianta culpar “eles”, “os ricos”, “os poderosos”, ou “o governo”. Porque tudo isso depende de você. Você fez sua escolha.  No fim do dia, o peso não sairá dos seus ombros. E será nos seus ouvidos que suas opções vão sussurrar.

Simplifique. Pense bem as suas escolhas. Assuma a responsabilidade. Vote consciente, e exerça fiscalização de cidadão que te cabe. Fique atento ao que fazem na sua casa. É você quem escolhe como as coisas são feitas. Exerça essas escolhas. Construa assim o seu amanhã.

Se você chegou até aqui, parabéns. Agora, é uma questão de escolha. Você pode ler, e dizer que não entendeu. E continuar seu caminho. Você também pode ler, refletir sobre isso e fazer o seu hoje. E amanhã… Talvez seja melhor. Você pode tentar, ao menos. Você também pode ler, acenar com a cabeça e fazer um esforço mínimo, supondo ser suficiente. Você pode clicar no X, ali no topo da página. E dizer “Nem li”.

São escolhas. Existem outras. Ano que vem, o Superman escolherá entre triunfar nos cinemas ou fracassar para todo o sempre. Mas… Qual a sua escolha?

Lekkerding 236 posts

Cúspide e Gêmeos e Câncer. Corinthiana não praticante. Indie até os ossos. Advogada. Blogueira. Eterna estudante. Jogadora de handebol e de rugby, aposentada compulsoriamente. Fã de cerveja, de um bom papo, da internets e da (boa) política. Amante de David Bowie e de Florence & the Machine. Chata. Sem mais.

  • Votar é muito fácil. Fiscalizar depois é onde o couro come.
    Hoje no Jornal da Gazeta entrevistaram uma tia lá do Projeto Voto Consciente.
    Aqui eles: http://www.votoconsciente.org.br/site/
    Eles fazem esse trabalho de fiscalizar candidatos e vereadores depois de eleitos. Seria ideal que todos, ou pelo menos a maioria tivessem a ciência que eles tem.
    Bom texto como de costume, Yaya.

"Quem sabe respirar o ar de meus escritos sabe que é um ar das alturas, um ar forte. É preciso ser feito pra ele, senão há o perigo nada pequeno de se resfriar. O gelo está próximo, a solidão é monstruosa (...) Quanta verdade suporta, quanta verdade ousa um espírito? Cada vez mais tornou-se isto pra mim a verdadeira medida de valor. Erro não é cegueira, erro é covardia... Cada conquista, cada passo adiante no conhecimento é consequência da coragem, da dureza consigo, da limpeza consigo... Eu não refuto os ideais, apenas ponho luvas diante deles... Lançamo-nos ao proibido: com este signo vencerá um dia minha filosofia, pois até agora proibiu-se sempre, em princípio, somente a verdade."

Friedrich Nietzsche

Porque toda semana - lembrem-se, minhas semanas são relativas - deixarei algo bacana pra vocês verem/ouvirem. Espero que gostem das escolhas.