Motivo de greve: depende do ponto de vista

E eu, que andava com tanta preguiça de postar, ganhei assunto de presente. Pra variar, tivemos uma paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus. Já disse: greve no Brasil é igual show da Ivete Sangalo.

Mais de oito mil veículos ficaram na garagem esta manhã. Considerando que a capacidade de um ônibus convencional (em tese) é de 75 pessoas, calcule aí quantos ficaram na mão. Ou a pé.

Mas vamos para a parte interessante da coisa: a razão desse show da Ivete.  O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo afirma que foi um protesto contra as multas aplicadas pela Prefeitura de São Paulo nas empresas de ônibus por falta de qualidade de serviço e que depois são descontadas dos salários dos trabalhadores.

Ok… Os motoristas e cobradores estão insatisfeitos com as multas aplicadas pela qualidade do serviço que eles prestam.  Vocês também entenderam isso, ou estou maluca?

Fica a pergunta. Quem pega o passageiro no ponto e leva até o outro ponto? Quem recolhe a tarifa? Você, pessoa usuária de ônibus, faz sinal para a Gato Preto, ou para o… MOTORISTA?

São eles quem prestam serviços diariamente: motoristas e cobradores. São eles que ignoram os usuários fazendo sinal nos pontos. São eles quem seguram carros nos terminais pra jogar truco (e eu vi isso no Terminal Ana Rosa) enquanto você está plantado no ponto, aguardando.

São essas pessoas que dizem “se não gosta, paga o táxi” quando você reclama da demora do ônibus em horários inexplicáveis. São eles quem conduzem veículos pesados e cheios de gente como se fossem Ayrton Senna. Os problemas do transporte coletivo de São Paulo são deles também. O atendimento deles é o serviço de transporte coletivo, caso não saibam.

Sim, as empresas têm sua quota de erros crassos na prestação desses serviços. Os defeitos das empresas no transporte público são tantos, que precisariam de pelo menos 10 textos para listar a metade deles.

Mas nesse ponto específico… As empresas não fizeram nada. Não são elas que atendem (mal) o usuário nas ruas; são eles, motoristas e cobradores.

Antes de apoiar a causa dos rebeldes sem calça, sejamos razoáveis. Eles ganham pouco? Sim. Eu também. E você, que usa ônibus, metrô e trem, idem. Nem por isso, fazemos trabalhos porcos (pelo menos, acredito que seja assim). Por que é que eles acham que tem direito de fazer tudo isso SEM nenhuma punição?

 As multas aplicadas são justas e corretas. Os descontos, também. Convenhamos que ninguém aqui recebe por trabalho mal feito. Não deveria ser diferente com os “pobres” trabalhadores. A coisa é simples: se eles atendessem direito, nenhum de nós ligaria no 156 pra falar mal do atendimento deles. 

É isso.