Não é sério.

E eu tinha um lindo post animado pra publicar. Aliás, liguei o PC só pra trazer mais uma lista bacana de musiquinhas felizes e originais. Mas parece que o mundo gosta de me dar úlceras e trazer meu lado insolente à tona, só pra que mais pizzas “deliciosas” sejam servidas. Então, lá vamos nós.

Eu sempre quis falar, e nunca tive chance. Pelo menos, até inventarem a nets. Sempre observei, atenta, ao que acontecia nessa terrinha de Deus. Sempre participei, na medida do possível e pelos canais indicados, das transformações aqui ocorridas. E ainda assim, não é suficiente. Já postei aqui ZILHÕES de vezes sobre isso. Eu sou uma só. E povo… É VOCÊ. Somos todos nós. Não os outros… NÓS.

Quanta honra. Nós mandamos nessa bagatela de 8.514.876,599 quilômetros quadrados e todos os pormenores que dela surgem. Somos NÓS que decidimos quando, como e onde as coisas devem acontecer. Mas é muita coisa, não?

Para isso, temos nossos assistentes. São nossos empregados. Cada qual com seu cargo e competência. Chamamos alguns de Senadores. Outros, Deputados. Ainda, os Ministros. E o tal do Presidente, o nosso mais alto assistente. Eles trabalham pra nós. Cada qual com sua incumbência.

Já faz um tempo, mas eu gosto de lembrar. Cada um, cada um. Cada lugar, um lugar.

Apesar de termos um sistema tão eficiente pra cuidar bem desse nosso cantinho, as coisas não funcionam. E faz tempo que estão assim. Aí, fica a pergunta: por quê? CULPA TUA, ORAS. Culpa minha. Culpa de TODO MUNDO, até dos revoltados videologgers que vemos por aí. É simples, simplório e muito, muito básico: SE O CHEFE NÃO MANDA, OS EMPREGADOS NÃO TÊM O QUE OBEDECER. E FICAM LÁ À TOA, FAZENDO O QUE QUEREM. Quando os chefes ficam desleixados com o comando de grandes empresas, o que acontece? Elas não sobrevivem no mercado, começam a apresentar uma série de problemas e viram MASSA FALIDA. Simples assim.

O Superman não vem salvar, Os X-Men também não, e os Lanternas Verdes não têm nada com isso. Quem tem que se virar pra se arranjar é a empresa. Quem tem que fiscalizar o funcionamento dela é O CHEFE. Os empregados estão ali pra trabalhar, e SÓ. Eles não são os líderes. E se o líder não faz nada, eles também não são obrigados.

E eu canso de falar, gritar, apregoar para tudo e todos, a ponto de ser chata. Ainda acredito que possa fazer alguma diferença, mesmo não sendo da patota da moda. E eu sei como é difícil acreditar que essa porra um dia vai mudar. Já disseram que minha úlcera vem a galope. Mas em matéria de NAÇÃO, o POVO é o CHEFE. Não os políticos que se candidatam. É o POVO. É você, Felipe Neto. Você, PC Siqueira. Você, Denis Lee. Eu, Lekkerding. Você, Dona da Casa. Você, Magus. Pois é, TODOS VOCÊS. TODOS NÓS.

E não adianta nada – NADA – descabelar no Youtube perguntando quem tem colhões de salvar o país, de investir na educação e ainda mandar o povo ler a Constituição(quando nem você fez isso) se essa é uma tarefa pra VOCÊ, chefe. Você, povo. Pelos meios que você instituiu lá na Constituição Federal, aquela cartinha simpática de 250 artigos e mais 94 disposições transitórias, que começa com “NÓS”. É, NOZES, o povo brasileiris, como diria o caro Mussum. E somos NÓS que temos que MUDAR e começar a MANDAR nessa República Federativa antes que ela abra falência – e falta pouco, amiguinhos, muito pouco. E se não mudar, pra onde eu vou? Não sei, aí quem se estrepa sou eu.

Ano de eleição. Povo – VOCÊ, CHEFIA, QUE EXEMPLO HEIN? – morre de rir das campanhas do Tiririca e não dispensa nem 10 segundos pra ler as cartas-proposta, avaliar os caras, mandar perguntas pros debates que exijam respostas OBJETIVAS – sem os mimimis costumeiros. Estamos aqui reunidos, POVO, CHEFES, PATRÕES, pra ver quem a gente contrata por 4 anos – em alguns casos, 8 (acho) – pra gerir nosso cantinho, SOB AS NOSSAS ORDENS. Aí, não damos ordens. Ficamos acomodados esperando a solução cair do céu. E a culpa é do empregado, esse preguiçoso que não fez nada enquanto tava no cargo, né? E o que digo aqui, isso que vejo, é só um terço do problema.

É o sistema que tem que mudar. Não o sistema legislativo, ou o Judiciário – o Executivo bem que podia ser parlamentarista, mas nós estragamos a chance, não é mesmo? – mas o sistema da nossa consciência, de nunca fazer porra nenhuma e sempre jogar a culpa nos outros. Os empregados estão errados – sim, muito errados – de não trabalhar. Mas nós, chefes, SOMOS ERRADOS DESDE O COMEÇO. Porque não mandamos, não exercemos autoridade, não nos fazemos respeitar e estamos sempre nessa postura de coitadinhos revoltados, dizendo que tá um lixo e perguntando quem vai nos salvar. Quer mudar as coisas? Levanta daí, pára de falar e pensar bobagem e põe a mão na massa. É um ÓTIMO começo.

E se você continua feliz e contente na postura passivo-agressiva de coitadinho, igual o Felipe Melo no vídeo dele, a porta da rua é serventia da casa. =)

Originalmente publicado em 22 de agosto de 2010, no TSL.