Pobreza pega – A Missão

Só pra lembrar: pobreza, às vezes, não cabe no bolso. Não tem cor e nem cheiro. Chega sem aviso e acaba estampada na cara. E não que se possa remediar, ou disfarçar. A pobreza é um inferno: te deixa manco, caolho e feio. Não permite evolução. Com ela, você estará sempre algemado no fundo da caverna, falando muito a todos, e sem dizer nada. Ela achata, esvazia, deixa sem graça, sem eira e sem beira.

Pobreza pega. Fica nas suas entranhas. Apaga você do mundo, e só ela existe.  Muito cuidado. É um predador silencioso e fatal. As perdas são irreparáveis.

Não ter dinheiro não é ser pobre. Não ter onde morar não é ser pobre. Não ter o que comer não é ser pobre. E tudo isso pode ser resolvido. Começa com o emprego, termina na poupança – ou no FGTS, ou na loteria.

O que não tem jeito é a pobreza. Ser pobre é ser a causa pra todas as coisas acima, e a trava pra todas as soluções delas.

Ser pobre é ser maniqueísta, é ser revolucionário de sofá, é ser conformista, é jogar a culpa nos outros, é empurrar com a barriga, é nunca tentar e viver reclamando de não conseguir, é ignorar deveres e exigir direitos, é… Pobre, em essência. Em espírito.  É parco, é vazio, é horrível.

Ok… Apenas um desabafo. Vivemos num mundo muito pobre. A pobreza gera violência, preconceito infundado, burrice, erros de português, erros legislativos – que podem até custar uma Copa do Mundo. Pobreza gera gente que fala com propriedade do que – e de quem – não sabe. Pobreza gera fanatismo. Cria estudantes de Ciências Sociais pseudo-marxistas de bar e pseudo-sindicalistas de esquina. Pobreza também gera adEvogados de porta de cadeia. Gera médicos maníacos, prontos para estuprarem as pacientes. Gera engenheiros e empreiteiros complacentes com prédios feitos de areia de praia, servidores felizes em ignorar a corrupção chegando de malote no gabinete do parlamentar e funcionários determinados a não saber fazer o que são pagos pra fazer.  Gera idiotas propagando receita de estupro corretivo pela internet, como se fosse patê de ricota. Gente maltratando outros seres vivos – e achando graça nisso – e gente achando lindo ser errado. Gente contente por estar na média, por ser o melhor dos piores. Gente que, sinceramente, está na Terra ocupando lugar de gente melhor. É o mundo pobre e podre em que vivemos. E às vezes cansa ficar por aqui. Mas eu me recuso a aceitar essa praga. E por isso, mais um post. Porque contra a pobreza de espírito – que infelizmente, não tem cura – só o ato de compartilhar conhecimento (e adquirir mais enquanto isso) resolve. Tenho HORROR a pobre.  Fique horrorizado você também.