blog-post-img-164

Pobreza pega.

Como dizem os amigos da periferia nossa de cada dia, o TSL está “aí na atividade” em 2011. Como foram de virada – e ressaca pós-festas? Espero que bem. Porque já inauguramos com o pé na jaca por aqui.

A era Lula “acabou”. Agora, estamos de presidente nova. Dilma Rousseff terá muitos desafios pela frente, isso se escolher cumprir seu papel constitucional e realmente administrar o país. Infelizmente, o que mais atrapalha a presidente é o que supostamente deveria fortalecê-la: seus partidários, confrades e correligionários. Os militantes da “causa”, como dizem por aí.

Foi o que mais vimos na corrida eleitoral, e nos meses subseqüentes. Longos e tediosos duelos nas mídias sociais. De um lado, o séquito petista e fã do lulanês. De outro, a legião psdbista, fã de trololós do Serra. Ambos empenhados a provar seus argumentos a todo custo. O engraçado é que o tal argumento pode ser resumido em “o meu é melhor que o seu”.

Realmente, algo muito razoável, perspicaz e maduro para o cenário político nacional, não?

Pensando nisso, resolvi exibir a vocês uma de minhas desventuras no mundinho virtual, dentro de um debate desses. Relendo o que foi dito, achei injusto não dividir a comédia com o mundo. Pois vamos à sinopse desta novela.

Eis que, no Facebook, um amigo comenta de forma inocente sobre nossa presidente nova. Pra variar, o assunto descambou para o presidente velho. O que segue é o resultado de muita, mas muita paciência de minha parte, e muita, mas muita, MAS MUITA ignorância daquela que será conhecida neste post como “Brasuca Média”.

Desculpem, mas não pude transcrever tudo. Minha tolerância a assassínios do vernáculo é extremamente baixa. Não pouparei comentários à parte.

Brasuca Médio gerador do debate: cara o PSDB é uma droga… Eles só favorecem aos burgueses… Prefiro o PT lá… Se a Dilma for uma merda o Lula concorre de novo e fica bom.

Se eu não conhecesse a pessoa que escreveu isso, diria que é mais um integrante da manada de estudantes de Ciências Sociais.

Brasuca Média: Concordo com você… Pena que alguns não conseguem enxergar um palmo à frente. Hoje pobre anda de avião, tem mais de um celular, tem carro zero que conseguiu comprar com diminuição de imposto, casa própria, faz faculdade pelo prouni e ainda acham que o Serra que deveria estar no poder. Não querendo ofender até porque sou pobre, mas se ele estivesse seria bom pro povo aprender, principalmente o pessoal das universidades públicas.

Ela, não conheço. Afirmo, portanto, que se trata de uma integrante da manada. E digo mais: na encarnação passada, devo ter sido uma aluna de Ciências Sociais muito chata, atormentando mentes brilhantes com meu monte de bravatas. Agora, o karma é agüentar tudo que impingi aos outros. Delícia, não?

Lekkerding: O pobre anda de avião, fato – parcela a passagem em trocentas prestações a juros exorbitantes e passa fome pra pagar tudo depois. Enquanto isso, as empresas de transporte rodoviário afundam e ninguém presta atenção nas reformas necessárias nesse setor, que vai cada vez mais pro buraco. Ah claro, o setor hidroviário/marítimo também, larga pra lá. Pra quê arrumar? Só a Inglaterra usa, pra mandar lixo pra cá. Lindo, o pobre tem mais de um celular. E produz lixo eletrônico que é uma maravilha. E pra quê prestar atenção no problema ambiental que isso é e na merda que isso vai virar daqui alguns anos? Deixa a lagoa Rodrigo de Freitas ficar verde-limão algumas vezes por ano mesmo, ninguém liga.  Carro zero, verdade, todo pobre compra. Na mesma base que compra passagem de avião – e veja só que maravilha: esse monte de compra de carro zero facilita fraudes financeiras como a do Panamericano. Ponto pro pobre, ponto pro Sílvio Santos, dane-se o sistema tributário, ano que vem todo mundo compensa no IPVA – aquele que fica cada vez mais caro. Maravilha também, comprar a casa própria. A CEF facilita tudo ao comer todo o seu FGTS e te fazer ficar devendo as calças pra eles em juros. Poxa, depois ninguém pode falar que trabalha a vida toda sem ver o dinheiro, né? Olha o dinheiro ali, na casa. Você não acumula riquezas, mas poxa, tem um lindo tetinho de puxadinho. E maravilha, ProUni. O pobre mal sabe ler e escrever, não sabe o que é inteligir, mas oba, tá na faculdade. Vai ganhar “diproma”. Uhul, o pobre. Não gostaria que o Serra estivesse no poder, porque ele não facilitaria distribuição de riqueza e deixaria o acúmulo pro capital estrangeiro, somente. Mas o PT foi extremamente assistencialista e esqueceu de uma coisa básica chamada infra-estrutura, além de usar como caixa corrente os fundos de previdência, o que é uma temeridade – e só entende isso quem tem que usar a aposentadoria. Não adianta a maquiagem estar linda se sua pele é um horror. Uma hora, o pó derrete – hora esta que infelizmente está próxima.

Brasuca Média: Não acho que pobre precise parcelar uma passagem de avião de R$ 200 em trocentas vezes, falo isso porque vivo na ponte aérea mais cara do país e até na mais cara se consegue passagem por $130, e muito menos passa fome para pagar.

Atenção. Ela se declara pobre na primeira postagem, mas agora vive na ponte aérea mais cara do país. Sinto aqui um complexo de pseudo “eu sou RYCAH”, e vocês?

E se passa ou a forma com que eles pagam a passagem não me importa nem um pouco, não é justo o pobre ficar dias dentro de um ônibus pra chegar ao seu destino se pode ficar apenas algumas horas.

Ela não acha justo andar de ônibus. Sintam a mania de grandeza. Quem costuma viajar de ônibus sabe do que falo: não é nenhum sofrimento passar algumas horas passeando pelas belas paisagens do país, para ricos e pobres. Eu mesma não abro mão de fazer SP-RJ de ônibus; a Serra das Araras me tira o fôlego toda vez. E quem nunca viu isso porque voa alto demais que me desculpe, só perde. Qual o grande problema de usar o ônibus? Alguém pode responder?

Acho que está confundindo o governo de 10 anos atrás, que só a nata podia andar e a miséria já era tanta que infelizmente eles nem podiam sonhar com avião. A miséria aumentava sim, e cada vez mais com as privatizações… Conheci gente que se suicidou de desgosto por ter seu lindo e maravilhoso emprego público acabado, não existir mais nada, ver a empresa vendida pelo valor simbólico de R$ 1 e o resto do dinheiro?

Nessa frase, lembrei de uma minissérie da Rede Globo – da época que a Globo sabia fazer TV – chamada Decadência. Vi muitas cenas caóticas assim. Acho que ela ficou impressionada e trouxe a ficção para a realidade.

Fato imaginar onde foi parar; as universidades públicas eram mal vistas por só viver em greve pela falta de pagamento e desvalorização dos professores, fora que eram pouquíssimas. Dólar, claro 4 reais, as grandes empresas só compravam cotas no Brasil em dólares e atualmente só se compra em Real, Brasil virou potência e auto-suficiente em petróleo, deixou de ser devedor para credor.

Gente. Aqui ela praticamente descreve a ascensão da dinastia Tudor após a Guerra das Rosas. O PT tem mesmo esse poder sobre o imaginário brasileiro, de transformar a realidade em folclore?

E viva, enfim, a um presidente Nacionalista que não abaixa o nariz para outras potências e nem para Alca. Ah e os grandes empresários rodoviários que se adaptem as mudanças!

“O pobre mal sabe ler e escrever, não sabe o que é inteligir, mas oba, tá na faculdade. Vai ganhar “diproma”. Uhul, o pobre.” Nossa quanto preconceito e generalização em cima desse comentário.

Esta foi a primeira vez que registrei na discussão. A garota realmente não sabe o que é fina ironia. Ou isso, ou ela se encaixa na descrição sarcástica que dei e magoou-se.

Bom a culpa não é de quem cursa e se forma sabendo mal ler e escrever, felicidade a deles que conseguiram o diploma, mas sim da instituição PARTICULAR que forma uma pessoa assim. Que se sujeita a descer o nível por causa de mensalidade.

Fica a pergunta: quantos de nós foram para a universidade aprender a ler, escrever, desenvolver o pensamento crítico e adquirir noções básicas de ensino? É culpa da faculdade não fazer o que deveria ter sido feito em outro lugar nos 11 anos anteriores? Poxa, minha universidade não dá aulas de Português, Matemática, Ciências e Estudos Sociais. Estão me formando errado, acho que vou processá-los.

Lekkerding: Fui ali no site da TAM olhar uma ponte aérea bem simples, SP-RJ. Na GOL também. Não achei nada por menos de $300,00. Onde você compra suas passagens super caras a $130,00? “Revele, ou será mais um dos brasileiros a prestar um DESSERVIÇO à população. *BOPE style*”

**Pausa: eu sei que você, leitor, entendeu a piada.**

Sorry, mas acho que você vive numa realidade paralela. Fui apurar as coisas que você argumentou e só encontrei factóides. Como explicar isso? Mas enfim, ao rigor do debate.

O Brasil de 10 anos atrás era o Brasil do Collor – o cara que, apesar do monte de imbecilidades no cargo, instituiu um sistema tributário viável no país. Tanto ele quanto FHC fizeram bastante, apesar das porcarias – como seu Lula. Todo mundo esquece o mensalão, menos eu. Enfim.

O Collor deu um fim na ciranda financeira e riscou o Brasil da lista de paraísos fiscais. Conseguiu, com o confisco, capitalizar o suficiente para pelo menos começar a pagar o monte de contas que tínhamos lá fora – ou você acha que as décadas de ditadura a juros exorbitantes foram esquecidas pela comunidade internacional? O FHC terminou de pagar o atoleiro de dívidas com o monte de privatizações que te irritam tanto. E por conta disso, você vive num país em desenvolvimento. Se nenhum deles tivesse, com o perdão das palavras, metido a mão na merda pra fazer o adubo, estaríamos num país pior que Açores. O Sr. Lula teve muito pouco trabalho nesse sentido. Ele só precisava terminar de estabilizar o país – o que ele fez, mas desfez no segundo que transformou fundo previdenciário em liquidez.

“A parte feia ficou nos governos passados, que era a parte de pagar o que era devido e não fazer a Rússia.”

**Pausa, de novo:eu sei que você entendeu de novo, leitor. Eu sei.**

O que cabia ao Lula, não foi feito: investir em infra-estrutura. Em vez disso, ele descambou pro assistencialismo e virou um pseudo-estadista. E todo mundo acha isso uma maravilha – porque o peixe tá na mesa, então dane-se se ninguém sabe pescar, não é mesmo?

Além disso, as universidades públicas continuam sendo mal vistas pelo bando de alunos baderneiros e sem absolutamente nada na cabeça que pagam pelas vagas. A flutuação do mercado não cabe na discussão – até porque chamam de flutuação por isso, não adianta respirar aliviado ou se desesperar por algo que pode mudar sem maiores explicações. Amanhã, o dólar vai a $5,00, e você dirá o quê?

Se fosse o Brasil auto-suficiente em combustível fóssil, não teríamos de passar o vexame com a Bolívia. E ninguém estaria de mimimi por conta do pré-sal.

A culpa é das instituições – públicas e particulares. E a culpa é TUA, povo, comemorando ProUni, cota e o diabo a quatro nivelando por baixo. Quer educar? Enfie ProUni no Bandeirantes, no Arqui ou no Pueri Domus. ProUni na faculdade é motivo de vergonha, não de orgulho.

(e desculpe, se você acha o que eu penso preconceituoso, eu lhe convido a tentar sobreviver por um dia sendo eu.)

Brasuca Média: Querida *BOPE style*, comprei minha passagem com antecedência sim a 130 reais, e não foi ponte aérea Rio x SP, foi uma distância maior ainda, Rio x Floripa. Qualquer pessoa que anda de avião com freqüência sabe que dependendo do período que você fique, do dia da semana a passagem tem preço reduzido.

Percebam: vocês todos entenderam a piada. Vocês, que são informados e tem Twitter à mão, entenderam. Mas ela não foi feliz…

Factóides? Não precisamos de factóides quando nos deparamos com a mentalidade retrógrada de alguns. Existem fatos contra quais parte da nova classe média brasileira cisma em tapar os olhos, bem aquela que sempre sonhou em morar em Miami.

Desculpem. Quem quer morar em Miami, pode se encaminhar a um asilo e fazer um canteirinho de areia com um balde d’água no quintal. Dá na mesma.

Desserviço, ter votado na Dilma? Te oriento a ler a Folha de São Paulo de hoje, o Serra entregou o estado de São Paulo QUEBRADO, ao seu sucessor que é do mesmo partido por sinal. O Alckmin teve que decretar um corte recorde de gastos de 1,5 bilhões paa cobrir o rombo! Cadê o gestor competente? Vamos comparar economicamente?Os 8 anos de Lula / Dilma com os 8 anos de FHC / Serra?

Percebam novamente. Vocês, além de entenderem a piada, captaram o contexto da frase – que nada tinha a ver com dona Dilma. Não se façam de santos, porque vocês também queriam saber de onde vinham essas passagens a $130,00. Vocês compreenderam tudo, parabéns, nota 10 na coesão textual. Mas nossa amiga brasuca… #fail

Acho que você teve uma pequena dificuldade em calcular algumas coisas, vejamos, há 10 anos era janeiro de 2001, o presidente era o FHC com um Brasil quebrado devido a uma crise no México, o Collor é o Brasil de 20 anos atrás, Srtaª Style Bope, aquele mesmo que confiscou a poupança de todo mundo, inclusive de parentes de muitas pessoas daqui. O Itamar que veio depois implantou o plano Real, com uma equipe de economistas e analistas pinçados de instituições com PUC Rio, FGV e alguns notáveis, onde decidiram basicamente “trocar a inflação, surfando na onda da deflação mundial pela, dívida pública brasileira” e isso teve um alto custo para nós, que pagamos até hoje com os juros mais altos do mundo (quando o Lula assumiu era de 25%, hoje é de 8%, um grande avanço ainda que seja alto).

Quanto à privataria, quais dívidas mesmo o Brasil pagou? Me cite uma, ou vai parecer que está trazendo factóides ao debate. O Brasil possuía uma carga tributária de 27% em relação ao PIB, com o FHC a mesma pulou para 38%, e tudo isso ás custas de endividamento interno, superávit primário assassino. Ou você esqueceu, ou nunca leu que a dívida interna que era infinitamente superior a externa (que o Lula pagou junto ao FMI, sei que isso dói em vocês) estava completamente atrelada à taxa de juros. Reclamam tanto de Pro Uni e Bolsa Famíia, isso gera em média um gasto de 50 bilhões/ano. Você sabe quanto o Brasil perdia em média por ano com os juros para especuladores e bancos privados na era FHC? Sugiro que pesquise e volte com informações concisas e não factóides.

Rendo aqui as palavras do sábio Luís Adas – a quem eu deveria ter deferido a paciência necessária para debater com nossa amiga brasuca:

“Abrindo a Carta Capital, você encontra todos os índices e números dela. Os oficiais do governo, que diz que o PAC está mais da metade completo. Aí você vai nas obras e descobre que cerca de 2% dele que está completo. Ela não está errada. Ela simplesmente confia num meio de comunicação que não é o mais confiável, e toma isso como verdade.  Agora, peço perdão pelo que direi, mas qualquer pessoa que tome números oficiais de governo como verdadeiros, para qualquer governo que seja, é no mínimo ingênua. É muito fácil pro governo divulgar uns números idiotas como verdadeiros, e um bando de pelego cego acreditar. Por que o governo faz isso? Porque a pelegada acredita, visto que o pobre não entende isso e o rico não acredita. Aí eles vão aos meios de comunicação fora das revistas que eles controlam, já que, indubitavelmente, a oposição domina outras, e tentam convencer as pessoas dessas coisas, tomando eles e o governo como certos e o resto do mundo como errados. E, no fundo, a oposição faz a mesma coisa.”

Vivo num país em desenvolvimento, pois temos um parque industrial magnífico, uma petroleira que graças a Deus não foi privatizada e hoje descobrimos o Pré-Sal, inclusive há 2 meses fizemos a maior capitalização da história do capitalismo na Bovespa, e principalmente, criamos um forte mercado interno, coisa que não tínhamos. Após criarmos este mercado, a economia começou a passar por um ciclo virtuoso. Mesmo com uma das maiores crises da história não quebramos, com o FHC quebramos 3 vezes em 5 anos (crise no México, na Rússia e na Índia), é até ridículo lembrar dessa época.

A petroleira que não foi privatizada tem o capital aberto, vale lembrar. E só por isso conseguiu sobreviver. Estatais são problemáticas – a URSS que o diga.

Quantas universidades federais o FHC construiu? Nenhuma. E o Lula 14. Quantos empregos foram gerados em 8 anos de FHC? 5 milhões. E em 8 anos de Lula? 15 milhões. Combo triplo, hahahahaha.

Bom, pra que gastar dinheiro em universidades se o ensino de base continua no lixão? Desculpem, todo mundo aqui pecou.

Vou ter que repetir, o Lula não deu prosseguimento a estabilidade iniciado por FHC nenhuma. Como a economia de um país com uma taxa de juros que teve um pico de 50%, aumento da dívida em 700%, e detalhe que muito a dívida que tínhamos foi justamente para criar as estatais que possuíamos nas quais as mesmas foram DOADAS. o país quebrou 3 vezes, e ainda assim em dezembro de 2002, último mês de FHC, possuíamos a 7ª maior inflação do mundo e o dólar em quase 4 reais! Puxa! Que estabilidade.

Sem comentar na visão do Lula que diversificou o mercado brasileiro, tornando a China nosso maior parceiro comercial, aumentando a participação da União Européia e países africanos e do oriente. Não ficando só atrelado ao mercado dos Estados Unidos… Imagina a quebradeira que teria acontecido em 2008 hein? Mas quebrar países e estados é expertise do PSDB né? hehehehe.

Só consegui pensar na Regina Duarte tendo medo aqui. O absurdo é tanto que a inteligência se recusa a comentar o horror.

Que vexame com a Bolívia? Você queria que o Brasil fizesse o quê? Invadisse a Bolívia e matasse um monte de inocentes? Impusesse sanções a um país que é o mais pobre da América do Sul, para que o mesmo passasse por mais dificuldades ainda? Não se esqueça que é interessante para o Brasil ter vizinhos crescendo também. Do que vai adiantar o Brasil ser um oásis de desenvolvimento no meio de um monte de país quebrado? Não acho que o modelo de desenvolvimento ideal para o Brasil seja o modelo norte americano, onde existem milhões de mexicanos e imigrantes trabalhando em regime semi-escravo. Mas essa é a forma covarde de pensar né? Falar grosso com o Paraguai e Bolívia e falar fino com Estados Unidos e Itália. Só pra citar exemplos…

Se ela falasse mais um pouco, Michael Jackson ressuscitaria no moonwalk cantando Heal the World. Que meigo.

Mimimi por causa do Pré-Sal? Tem noção da proporção da riqueza que isso vai trazer para o Brasil? Acho que não…

Ok… Como vocês chamam todo o burburinho de “é meu, é nosso” no meio do ano passado? Eu chamo de mimimi, Desculpem.

Não, e realmente você não é preconceituosa, analisando suas idéias isso deve ser fase. Hahahahaha

De novo, a Regina Duarte toma meu ser. E eu tenho medo de uma pessoa que dispara ataques ao adversário no debate a esmo, sem ao menos perguntar com quem está falando.

Ser você por um dia? Deus me livre.

Ler isso na hora foi um pavor sem fim. Reler pra comentar é um fim pavoroso. Se aos olhos dela eu sou preconceituosa, pergunto o que ela é aos olhos dos que tem saúde pra ler isso.

Lekkerding: Você podia ter sido um pouquinho mais sagaz e se mostrado capaz de contextualizar fatos e comentários para inteligir a piada. Mas enfim, vamos lá.

Percebam que eu ainda avisei.

Se o seu preço reduzido depende de variáveis promocionais oferecidas pelas companhias aéreas, então esta não é a regra, concorda? A regra é o caro. Paga o barato quem dispõe das variáveis, por N motivos e meios. E o cara que precisa viajar pela regra passa metade do ano pagando a regra.

É pela existência da regra cara que temos o monte de exceções proliferando na internet – a saber, os tais sites de compras coletivas.

Logo, vamos não aplicar situações subjetivas ao quadro geral. Se fosse pra brincar de “eu por exemplo”, isso seria Malhação, não uma discussão.

Administrações estaduais não estão em pauta. Eu sou bem conhecida por adorar malhar o Judas do RJ, e não estou fazendo isso por aqui – poderia, nesse quesito teria pano pra manga, seria uma beleza. Mas não é esta a pauta. Estamos falando do quadro geral. Da nação. Falamos em Brasil, em presidência. Seja objetiva ao tratar do tema, por favor.

(a constar, o desserviço não se referia a voto, se referia a um comportamento típico de muitos brasileiros. E era um trocadilho com a declaração feita pela milícia mais amada do Brasil em 2010.)

Percebam que eu ainda expliquei a piada.

Verdade, erro de cálculo. Eu nunca fui boa em Matemática, mas fatos não mudam pela confusão temporal. O confisco do Collor fechou as portas do paraíso fiscal e as privatizações do FHC pagaram muitas dívidas, permitindo o fortalecimento do Real – esse mesmo que você acredita ser fruto de uma conspiração de outro mundo pra deixar todo mundo endividado até as calças. Aliás, acho que você agora confundiu Real e Cruzados. Eu não posso te trazer números e afins, por um motivo bem simples: eu não me meto a discutir números. Isso é pra quem entende. Eu entendo de outras coisas. Mas posso dizer que as dívidas derivadas da compra de material bélico lá nos anos 60/70 (para quê, não sei, mas somos todos uma grande nação pródiga mesmo) foram pagas. Posso dizer que os programas energéticos em que o Brasil se meteu naquela época também foram quitados e começaram a gerar resultados – tanto é verdade que estes resultados deram dor de cabeça ao governo Lula, quando os USA (entre outros) resolveram ficar curiosos sobre nossa tecnologia de enriquecimento de urânio. Foi também com o FHC que finalmente conseguimos entender o desastre financeiro que é o Tratado de Itaipu e tentar achar um jeito de acabar com isso (tudo bem que quanto mais se mexe naquilo, a coisa fica cada vez pior. Mas ao menos agora é um problema reconhecido e com o qual se tenta lidar, de alguma forma). Dentre outras coisas.

Sem contar que foi nessa época que ganhamos uma empresa realmente competitiva no mercado, a Petrobrás. Desculpe, mas abrir o capital ali foi genial – Niterói que o diga, como bem aponta o Marcius Melhem. Estes presidentes têm muitas falhas – como qualquer outro que ocupe cargos administrativos desse porte. Eles não são anjinhos, tampouco demônios. Mas há que se ter bom senso pra reconhecer erros e acertos. Eu reconheço bem os acertos do Lula na política externa, ele jogou brilhantemente. Mas vejo os erros, e acredito que já os expus no tópico de forma bem simplória.

Aí eu vejo você falar da flutuação do dólar, do ranking inflacionário – aliás, fechamos 2010 com 6.24% de acordo com o IPC-S (esperemos o IBGE falar, mas…). Acho que a era Lula chegou pertinho do FHC – e usando esse monte de coisas pra atacar os trabalhos das administrações passadas e santificar o Lula sem se dar ao trabalho de verificar as coisas em sentido amplíssimo. Tudo bem… Pergunta: você gostaria de ser grega agora? Porque esse quadro-catástrofe que você pintou aqui aconteceu lá, e eles não conseguiram voltar do buraco.

Falando na última crise do mercado americano – aquela que todo mundo sabia que ia estourar há tempos – e em como o Brasil não sentiu. Repito: o Brasil não sentiu porque os fundos foram transformados em liquidez. A França escapou assim de uma “mini-crise” há alguns anos. Cedo ou tarde – se já não for durante – eles vão quebrar, porque a aposentadoria, todo mundo tira um dia.

E sim, o Lula manteve a estabilidade gerada nos governos anteriores, e esse é o principal elogio do setor privado à sua administração. Esta é, aliás, uma das promessas de campanha de 2003 que todos afirmam que foi cumprida – e todos lembram dela por conta da Regina Duarte.

(caso você não consiga contextualizar, procure no Google por “Regina Duarte eu tenho medo”)

Bom, o Lula terminou de pagar a dívida. Era o mínimo que ele podia fazer. Infelizmente, não foi ele quem começou a pagar – aliás isso dói em quem? Ele só terminou de quitar. E foi ótimo. É aliás no governo Lula que muito se fala em PIB, mas ninguém vê PNB divulgado. Claro que não me meto a discutir números, deixo pra quem sabe; mas você me trouxe dados do PIB, e as principais escolas de administração do país ensinam que bons observadores não devem considerar o crescimento econômico de dada região sem antes analisar e comparar PIB x PNB – bem mais adequado para medir paridade por poder de compra, por demonstrar a real liquidez. Pelo menos isso, eu sei.

Se você puder (e souber) fazer uma análise objetiva sob esse escopo, agradeço.

Percebam que eu ainda a convidei para fazer uma análise mais profunda do tema.

Por esse artigo aqui do Contas Abertas, a dívida interna continua obesa. E mais um ano vai sem que se cumpra a próxima etapa do plano: infra-estrutura.

E, a julgar pelos dados do artigo, o gasto está um pouco além dos 50 bilhões.

Empregos: ok. Dou essa pro Lula. Nunca vi tanta atendente de telemarketing proliferando. Mas engenheiros competentes em formação ou no mercado, cadê? Voltamos à tristeza do ProUni. Não adianta nivelar por baixo. O cara não sabe quanto é 2+2, mas tá na faculdade. Pega o “diproma”, vai trabalhar e é rejeitado pelo mercado, porque não tá apto. Falta BASE. E não importa quantas universidades o governo construa sem ela; vai dar merda.

Bolívia: o que eu queria não, o que a legislação prevê – o que eu quero e o que você quer são dados totalmente irrelevantes para o coletivo. O coletivo quer ser respeitado quando estabelece suas normas (bom, eu acho, e a Constituição se define por essa regrinha, mas falamos do coletivo brasuquinha…). Aquilo que não foi cumprido, que o Sr. Lula mais uma vez não sabia – puxa vida, nunca vi alguém assim desinformado. Seria simples assim. Dura lex… Sed lex. Se doeu na nação alheia, ela que não fizesse a graça de descumprir o que foi firmado previamente. Se a situação fosse inversa, eles não teriam dó de aplicar as sanções devidas só porque somos “hermanos”. Mas nem por um segundo.

Mas infelizmente, nada disso é culpa do Lula, do FHC, do Itamar, do Collor, do Chacrinha ou da Terezinha. É culpa de quem insiste em achar que povo são os outros e acredita piamente que quem ocupa o cargo manda em você, e não o contrário.

Que mais? Enfim, se houver mais, diga.

Ah, quando você conseguir fazer uma análise cabível, conversamos.

E que bom que Deus te livra. Assim, você é você. E eu… Dou risada.

Brasuca Média: Então tá * Bope Glam *, você está correta em tudo o que escreveu, e eu errada… Pena que vai ter que aturar mais 4 anos de PT, poderia já começar agora a campanha hein? Cada votinho vai ser sagrado…

Poxa, eu fui legal, tentei ignorar as bravatas, a estupidez extrema, chamei para um debate saudável. Mas aí, como toda boa pessoa tacanha, ela correu para o maniqueísmo e…

Tenho mais o que fazer, um verão inteiro pela frente, do que ficar trocando textos com você, que até tem alguns, poucos, méritos, mas percebe-se que tem a opinião completamente (de)formada pelos meios de comunicação e neocons.

Fui… Vou pra praia agora, paulista! Bom engarrafamento pra você aí em São Paulo, a “Chuiça” Brasileira (crescimento econômico chinês com idh suiço, como vocês acreditam que são ) hahahaha.

Fugiu. Acho que coisa de gente grande não seduz os confrades pelegos ceguetas.

Lekkerding: Nem a vida e nem a política são feitas neste maniqueísmo de certo e errado, bem e mal e afins. Em debates, há dois pontos de vista em atrito, apenas e somente. Mas se você interpreta desta forma, nada posso fazer a não lamentar a deficiência de base.

E desculpe, não sou cabo eleitoral de partido algum. Você antagonizou como se tratasse com uma PSDBista – e eu esperei bastante pra ver se você percebia o engano. A política brasileira é extremamente decadente por conta de filosofias assim. Não faço parte disso.

Adoro seu modo de generalizar as coisas, pequena brasuquinha. Adoro também o modo como ataca o adversário na falta do que contra-arguir. Mas enfim, os brasileiros sempre foram tacanhos demais para o rigor do debate. Eles simplesmente não conseguem discutir – e você provou isso pra nação, mais uma vez. Parabéns.

Boa praia. Cuidado com as línguas negras.

++FIM++

Cansou de ler? Eu também. Mas assim meu ano político começou: lamentando a falta de visão das pessoas e a triste perdição em que se encontra a política brasileira. Percebam que uma discussão sobre desempenho dos principais “partidos” – as aspas procedem, porque não há no Brasil uma legenda partidária legítima, a meu ver – na administração do país quase descamba para mais uma daquelas disputas infelizes entre SP e RJ. Percebam que, no afã de defender seus “heróis” com unhas e dentes, o ser desconsidera toda e qualquer fonte alternativa de informação, chamando tudo de “neocons (quem puder explicar o que isso significa, agradeço)”. Percebam que a terrível deficiência de base escolar não permitiu que uma jovem adulta conseguisse contextualizar fatos notórios para compreender uma frase simples e inteligir uma piada que até o Danilo Gentili já fez. Percebam que esta mesma deficiência não permite que esta jovem – que provavelmente em breve será uma parte bem ativa da nação – consiga analisar friamente um argumento para refutá-lo. Percebam, principalmente, que ela não consegue manter a discussão sem atacar o adversário pessoalmente – e ainda o faz sem saber bem o que atacar.

A coisa mais triste de se perceber é que essa jovem reflete a maioria das pessoas “politicamente engajadas” no Brasil e joga o nome de gente como o Daniel Duende – petista de carteirinha, mas um EXCELENTE adversário para debates (se está interessado) – na lama. E é assim que estamos. E por conta disso, a culpa da nação no buraco não é dos partidos, dos prefeitos, vereadores, deputados, senadores, ministros, presidentes e afins. A culpa é toda SUA, povo. Todinha sua.

Encerram o post as palavras sábias do bravo Luís Adas – que por sinal, é loiro, alto, solteiro e procura um Ricky Martin para si.

Existem dois tipos de ignorante: o bom e o mau. Sócrates os definiu. O bom ignorante é aquele que de nada sabe, mas tem plena consciência disso, e tenta fazer algo para sair de sua ignorância, embora não consiga.

O mau ignorante é aquele que de nada sabe, não tem consciência disso e ainda acredita piamente que sua falta de conhecimento é, na verdade, conhecimento. Conseqüentemente, ele propaga suas mentiras como se fossem verdade, e alimenta a ignorância no mundo.

Originalmente publicado em 06 de janeiro de 2011, no TSL

Lekkerding 237 posts

Cúspide e Gêmeos e Câncer. Corinthiana não praticante. Indie até os ossos. Advogada. Blogueira. Eterna estudante. Jogadora de handebol e de rugby, aposentada compulsoriamente. Fã de cerveja, de um bom papo, da internets e da (boa) política. Amante de David Bowie e de Florence & the Machine. Chata. Sem mais.

"Quem sabe respirar o ar de meus escritos sabe que é um ar das alturas, um ar forte. É preciso ser feito pra ele, senão há o perigo nada pequeno de se resfriar. O gelo está próximo, a solidão é monstruosa (...) Quanta verdade suporta, quanta verdade ousa um espírito? Cada vez mais tornou-se isto pra mim a verdadeira medida de valor. Erro não é cegueira, erro é covardia... Cada conquista, cada passo adiante no conhecimento é consequência da coragem, da dureza consigo, da limpeza consigo... Eu não refuto os ideais, apenas ponho luvas diante deles... Lançamo-nos ao proibido: com este signo vencerá um dia minha filosofia, pois até agora proibiu-se sempre, em princípio, somente a verdade."

Friedrich Nietzsche

Porque toda semana - lembrem-se, minhas semanas são relativas - deixarei algo bacana pra vocês verem/ouvirem. Espero que gostem das escolhas.