blog-post-img-2066

Realidades

Realidade é uma palavra que circula muito atualmente. Quem está dentro, e quem está fora dela. Sendo sincera, observando os acontecimentos, as pessoas e suas reações, eu não sei o que é realidade. “Fora da realidade”. Ouvi isso muitas vezes. Em maioria, dirigido a mim.

Mesmo sem ter, disponho algum tempo aos debates. Havendo tópico exposto, digo o que penso. Exponho os fatos que tenho, estabeleço premissas, dou conclusões e refuto os argumentos da outra parte, se houver base pra isso. Resumindo: se da análise dos fatos, você está equivocado, não terei problema em apontar isso. Raramente, abro a boca sem ter lido alguma coisa sobre o que digo, nem que seja uma nota de rodapé. Sou dessas pessoas que precisa ter alguma noção, antes de emitir a opinião.

Observo, porém, que as pessoas não se interessam mais em saber: elas querem dar o pitaco, atirar as pedras, e o resto é estatística. Ou “fora da realidade”. Ninguém precisa de informações quando se tem opiniões. Ou “realidade”.

Keep calm e leia até o fim, Johnny.

Keep calm e leia até o fim, Johnny.

A crise hídrica que o Brasil vive é um ótimo exemplo disso. Usamos e abusamos da água por anos a fio. Não ligamos para as consequências. Agora a culpa é da Dilma, do Alckmin, dos Smurfs, de todo mundo: menos da pessoa no espelho que passa 1 hora no banho e precisa deixar todas as luzes acesas à noite. Esta pessoa não é responsável, ela “faz a parte dela”. O governo é o culpado de tudo, porque nunca avisou que a água ia acabar. E qualquer um que aponte o contrário – como eu – está “fora da realidade”. A pessoa não pode sentar e assumir a própria responsabilidade como ser humano. Eu sou louca de exigir isso dela. Estou errada.

Outro exemplo? As relações que estabelecemos por aí. Familiares, negociais e – por que não? – trabalhistas. A pessoa aceita trabalhar sem registro, com uma carga de tarefas hercúlea, uma jornada desumana e um salário ridículo. A pessoa que contrata diz que tem de ser assim, porque só o empreendedor sabe como é sofrer. E se alguém aponta o erro, este alguém está “fora da realidade”. Porque o cara que tem os dinheiros pra empreender não pode arcar com os riscos da contratação. Ele só pode arcar com lucros. O trabalhador que se dane, e exigir outra coisa é loucura.

famke

A realidade das pessoas é um cenário interessante, onde todas são vítimas de um sistema macabro e obscuro, sobre o qual elas nada podem fazer. Ou uma paisagem descrita por um ser cósmico – o Sakamoto, ou o Mainardi, ou sei lá quem. É um mundo mágico, onde os fatos não importam muito; o que interessa é como criar verdades incontestáveis da sua opinião.

Andamos em manadas mentais ultimamente. E essas manadas não andam preocupadas em pensar. Ao menos, é o que parece. Outra coisa que observo – e que assusta – é que as pessoas realmente acreditam que estão do lado “certo” e “inseridas na realidade” pelo tanto de gente na manada, pensando igual. Esses dias, ouvi exatamente isso: “tem vinte pessoas aqui falando que está errada, e só você está falando que está certa”.

tem mais de 20 pessoas aí fazendo a saudação, mas não acho que nenhuma delas esteja certa em ser nazista só por estarem em maior número. E o ser de braços cruzados concorda comigo.

Tem (bem) mais de 20 pessoas aí fazendo a saudação, mas não acho que nenhuma delas esteja certa em ser nazista só pelos números. E o ser de braços cruzados concorda comigo.

A quantidade faz a qualidade, ou a validade de algo? Se eu somar 20 maçãs podres, não vou ganhar uma maçã boa. Mas as manadas acham que 20 maçãs podres, se juntas e fedendo em harmonia, fazem 20 maçãs perfeitas.

O Fantástico fez uma matéria sobre a atuação de (péssimos) advogados dando golpes nas pessoas. As manadas desandaram a linchar a categoria. Levantei a voz uma vez: o ser disse que se um advogado tentasse cobrar acima de 5% de honorários, era crime, porque é o teto do Estatuto da Advocacia e cobrar com rigor era excesso de exação, previsto no Código Penal. Corrigi prontamente – não existe limite legal para honorários, esta é uma construção da classe e da jurisprudência e o teto da porcentagem convencionada é 30%. E excesso de exação é um crime que somente o funcionário público pode cometer. Disseram, então, que eu estava…

Adivinhem? “Fora da realidade”. E errada. E que ia me formar pra dar golpes nas pessoas, como os advogados do Fantástico.

A manada chove dizendo que “advogado é tudo igual” e que “eles ocupam os cargos públicos e é por isso que são todos corruptos”. Acho que se eu contar pra manada que o Alckmin é médico, o Pezão, o Aécio e a Dilma são economistas, o  Lula não teve faculdade nenhuma e o FHC é sociólogo, eles dirão que estou fora da realidade.

Estes? Todos advogados. E corruptos. Ok, há alguma razão no argumento...

Estes? Todos advogados. Ok, há alguma razão no argumento…

Sinceramente? Se as pessoas continuarem nestes caminhos manadescos, darei golpes mesmo. De tacape. Machadinhas, porretes, marretas, motosserras… Enfim. A vontade, pelo menos, é essa. Mas um compromisso foi assumido quando entrei na faculdade, quando comecei este blog, enfim. E ele será cumprido. Portanto, as manadas podem repetir, eternamente, o quão “fora da realidade” estou. Continuo defendendo o direito delas de dizer isso, tentando dar a elas ferramentas para não fazê-lo e, aos trancos e barrancos, tentando construir a tal da sociedade justa e solidária. Um tijolo por vez, uma pessoa por vez, um desabafo por vez. Um dia a gente chega lá…

(e se vocês pararem de tomar banhos de 1 hora, talvez a água não acabe quando chegarmos)

Lekkerding 236 posts

Cúspide e Gêmeos e Câncer. Corinthiana não praticante. Indie até os ossos. Advogada. Blogueira. Eterna estudante. Jogadora de handebol e de rugby, aposentada compulsoriamente. Fã de cerveja, de um bom papo, da internets e da (boa) política. Amante de David Bowie e de Florence & the Machine. Chata. Sem mais.

"Quem sabe respirar o ar de meus escritos sabe que é um ar das alturas, um ar forte. É preciso ser feito pra ele, senão há o perigo nada pequeno de se resfriar. O gelo está próximo, a solidão é monstruosa (...) Quanta verdade suporta, quanta verdade ousa um espírito? Cada vez mais tornou-se isto pra mim a verdadeira medida de valor. Erro não é cegueira, erro é covardia... Cada conquista, cada passo adiante no conhecimento é consequência da coragem, da dureza consigo, da limpeza consigo... Eu não refuto os ideais, apenas ponho luvas diante deles... Lançamo-nos ao proibido: com este signo vencerá um dia minha filosofia, pois até agora proibiu-se sempre, em princípio, somente a verdade."

Friedrich Nietzsche

Porque toda semana - lembrem-se, minhas semanas são relativas - deixarei algo bacana pra vocês verem/ouvirem. Espero que gostem das escolhas.