Etiqueta: música

5 coisas para esperar da música em 2014

5 coisas para esperar da música em 2014

Alô pessoal! 2013 está quase no fim. Tem muita coisa desse ano pra lembrar, né? Mas antes da sessão nostalgia, vamos alimentar nossas esperanças um pouquinho. Porque 2014 não é só Copa; tem muita novidade por aí, muita promessa que a gente quer ver cumprida, e muita coisa pra esperar! Vamos ver algumas novidades musicais rapidinho?

– a volta do Gnarls Barkley

Depois de anos de silêncio – e depois de deixar todo mundo doido com o hit “Crazy” – Cee-Lo Green disse: “Gnarls Barkley volta, assim, ano que vem”. Segundo a teoria da conspiração, essa voltinha básica do duo pode ocorrer no Coachella, que já tem outra surpresinha…

– a volta do Outkast

Pois é. Dizem por aí que o Outkast volta em 2014 para uma série de shows, que começa justamente no Coachella. Nada foi dito sobre músicas novas, mas que é bom saber que veremos Mrs. Jackson ao vivo, isso é.

– reunião do KISS

Vocês viram que finalmente o KISS vai entrar pro Hall da Fama do Rock? E essa notícia deixou o Gene Simmons tão animado que ele considerou a possibilidade de se apresentar na cerimônia com Peter Criss e Ace Frehley. Será? Vamos acompanhar.

– álbum novo da Adele

Ela falou que ficaria uns 4 ou 5 anos sem lançar nada novo. Queria curtir a felicidade e tal. Parece que esse negócio de parar de trabalhar não caiu bem pra ela. Rumores em todos os cantos dizem que já deve vir um álbum novo em 2014, talvez junto com a Copa. Oba!

– o ano do Rock no Brasil

Muse. Nine Inch Nails. Phoenix. Julian Casablancas. Soundgarden. Vampire Weekend. New Order. Pixies. Arcade Fire. Imagine Dragons. Metallica (dobradinha, considerando que a realeza do rock já apareceu no Rock in Rio). Placebo.  Offspring.

E isso, até abril. Acho que não preciso falar mais nada.

É, não mesmo. Por enquanto, a gente coloca as esperanças nessas notícias. E se vier mais novidade no caminho… Melhor ainda! Até a próxima!

Coisas que só a MTV fez por você
Top 10: Alanis Morissette
Saudades: Nirvana

Saudades: Nirvana

Hoje é sexta, dia de festa e alegria. Todo mundo planejando a balada boa da noite; os mais phynos e rhycos pretendem chegar ali na Vila Olímpia, quem sabe ir de helicóptero pra Angra dos Reis… O importante é se divertir, certo?

Mas não vamos deixar o dia passar em branco. Os novinhos podem não lembrar (ou saber), mas este é um dia pra se respeitar – e celebrar muito – o rock. Hoje, há 19 anos, Kurt Cobain disparava uma espingarda contra o próprio queixo, marcando não só o fim de sua vida, mas de uma era muito querida para os adolescentes roqueiros da época: o grunge. Nós só soubemos disso – e choramos feito menininhas – 3 dias depois, quando o corpo do nosso herói (desculpe aí, Eddie Vedder, mas é o que é) foi encontrado.

Foi um momento muito triste. Até hoje, é controverso: tem gente que acredita que ele forjou a própria morte pra fugir da fama, tem quem diga que Courtney Love mandou matar pra ficar com a bufunfa (e o posto automático de rainha do grunge), e há quem ache que foram os membros da banda que mataram Kurt, pra ficar com direitos autorais. Nós nunca saberemos. O que sabemos é que a perda foi imensa, mas não foi surpresa. Kurt Cobain concorria com Jim Morrison e Janis Joplin no quesito “uso de drogas na velocidade da luz”. Querendo ou não, sabíamos que perderíamos esse mocinho (ele era lindo, ok?) cedo.

A música parou um pouco quando ele morreu. Talvez porque o Nirvana foi aquele grupo. Toda geração tem aquele cantor, ou aquele grupo, que muda as regras do jogo. E o Nirvana fez isso. Eles não só popularizaram o rock (como nunca antes na história de nenhum país), como colocaram o cenário alternativo no mapa. O indie finalmente ganhou um lugar ao sol. Sem Nirvana, não teríamos o Mano Flores arrasando corações no Lollapalooza. Já pensaram nisso?

"Quero agradecer o Tio Kurt, sem ele eu não teria ninguém suspirando por mim!"
“Quero agradecer o Tio Kurt, sem ele eu não teria ninguém suspirando por mim!”

Até hoje, músicas do Nirvana, ainda que num karaokê da vida, tem uma aura meio mística. Algo que só vejo acontecer com bandas como o Doors. As letras de Jim Morrison parecem uma conexão cósmica com algo muito maior que ele, que nós, que o próprio universo, digamos. As letras de Kurt Cobain trazem uma conexão sombria com alguma coisa primitiva, dentro de cada um. Como se Kurt Cobain fosse um xamã do rock, convocando as forças ocultas do ser humano em suas canções.

Talvez eu esteja exagerando. Talvez eu seja uma dessas fãs malucas, que fica cultuando ídolos – eu não me vejo assim, mas quem enxerga a verdade sobre si mesmo? – como se fossem deuses. Talvez eu esteja redondamente e quadradamente errada. Pelo menos o Dave Grohl concorda comigo, então tá tudo bem.

Dave+GrohlHá uma razão para que você não veja músicas do Nirvana em comerciais de chiclete. Krist e eu fizemos o nosso melhor para prevenir que este tipo de coisa acontecesse. Nós temos orgulho de nossa integridade e de nossa banda. Nós entendemos o mundo em que vivemos, sair do nada para se tornar o que hoje as pessoas entendem por Nirvana, mas nó realmente tentamos nosso melhor para manter a distância. É algo que Krist e eu ainda fazemos. Há uma razão para o Foo Fighters não detonar músicas do Nirvana toda noite: porque nós temos muito respeito por elas. Você sabe, isto é terra santa. Nós temos que ser cuidadosos. Estamos pisando em ovos. Nós nunca falamos sobre isso antes, mas a oportunidade na verdade nunca surgiu, ou não pareceu algo correto.”

Enfim, já comecei a divagar. Eu queria fazer uma lista, escolher 10 músicas boas do Nirvana e deixar quem ainda lê este espaço com uma sexta-feira de rock na veia (eu fiz isso: enchi o texto de links pra músicas bacanas, fiquem à vontade). O problema é que todas as músicas do Nirvana são boas. E o rock, hoje, paira sobre todos nós, querendo ou não. Então saiam e se divirtam à vontade. Tem Shakesville no Astronete hoje. O Beco 203 tem lá sua Indie Rokkers. E tem uma centena de outros inferninhos na Augusta preparados pra celebrar. Kurt, você se foi. Mas nunca deixaremos de prestar homenagens, mantendo seu legado vivo e suas músicas no último volume.

Ok, chega de ser sentimental, certo? Até a próxima, pessoal o/