blog-post-img-3557

Top 10: Alanis Morissette

Oba! Alanis Morissette, aquela garota estranha – e linda, e diva – de Ottawa completa 39 aninhos de pura alegria – e raiva, e tristeza, e sonhos, e tudo mais que embala a vida do ser humano na terapia musical. Tia Alanis hoje completa mais um ciclo cantando a vida de muita gente por aí em seus 12 discos lançados e 20 participações em filmes e seriados – de ser Deus em Dogma até o beijo caliente em Carrie Bradshaw, Alanis passou por muita coisa!

Então, vamos lá. Os 10 melhores momentos de Alanis Morissette por aí.

 – Precious Ilusions

Essa música é do álbum Under Rug Swept, de 2002. Pra mim, um dos melhores álbuns dela. A música – e o clipe – confrontam fantasia e realidade na mente de uma garota e mostram que a realidade pode ser muito mais gostosa quando se sonha bastante. Quem se identifica? Eu me identifico. =D

 – My Humps

Alanis tem senso de humor. Por isso, ela resolveu gravar uma música bem controversa do Black Eyed Peas. O tom dramático da cover não diminui nem um pouco a graça da coisa – porque ver a Alanis imitando a Fergie em câmera lenta é simplesmente hilário. Até a Fergie morreu de rir.

– Sex and the City

O povo acha que Katy Perry é revolucionária com “I Kissed a Girl“. Bom, Alanis prova que estão todos redondamente e quadradamente enganados abalando as estruturas de Carrie Bradshaw num beijo de tirar o fôlego. Alanis não é fraca, gente. Carrie teve até que sair correndo.

– Unsent

Alanis e seus namorados impróprios (ou não). Vamos agradecer aos ditos-cujos pelas graças alcançadas, porque todos eles deram músicas ótimas. Unsent é a compilação máxima de relacionamentos um tanto problemáticos da aniversariante, e uma das músicas mais cativantes de Supposed Former Infatuation Junkie, de 1998.

– So Pure

Outra música cativante de Supposed Former Infatuation Junkie (não, os álbuns dela não possuem nomes curtos). Mas o melhor aqui é o clipe: Alanis encarna – do jeito dela – várias épocas da história moderna através da dança. Dá vontade de dançar junto.

– King of Pain

Alanis não é de fazer covers; mas quando faz, elas ficam divinas. É o caso de King of Pain, do Police. Até hoje, há quem discuta quem ficou melhor: o original, ou o que ela fez. Vocês podem comparar, se quiserem. Eu fico com a Tia Alanis – ela ganha de goleada no quesito dor, não é mesmo?

– Uninvited

Alanis fez parte de várias trilhas sonoras: Prince of Persia, Nárnia, Dogma e por aí vai. Mas a mais marcante dessas veio para um filme não tão legal (na minha opinião, claro). Uninvited traz de volta aquela garota furiosa de You Oughta Know, mas de um jeito mais sombrio. Fez um sucesso tremendo.

– Ironic

Não uma, mas 4 Alanis rindo da sua cara. Ou das ironias da vida. Ou das ironias da vida sambando na sua cara. De qualquer forma, é no mínimo… Irônico. tem alguma música que defina melhor a vida? Não sei, mas sei que as quatro Alaninhas vão achar isso muito interessante. Ou irônico. Ou sei lá.

– You Oughta Know

Alanis fez uma música de corno que não é exatamente uma música de corno. Nas músicas de corno, as pessoas estão geralmente tristes, envergonhadas, sentido falta de alguma coisa, etc etc etc. Ela, não. Ela só está furiosa. Indignada. Revoltada. Ela não faz a Adele e vai chorar no cantinho; não, dona Alanis se rebela e grita a plenos pulmões. Isso não é justo, não é bonito, e você vai pagar pelo que me fez. Gloria Gaynor bate palminhas.

– Dogma

Alanis Morissette é Deus. Sua voz é tão poderosa que pode explodir seu cérebro em alguns segundos de exposição. Sua ausência é tão terrível, mas tão terrível, que te leva a cometer as piores loucuras EVER só pra ter um instantinho de volta. E o melhor amigo de Deus é Severus Snape. Tem mais pra falar? Acho que não.

É isso, pessoal! Vamos comemorar o Dia Mundial de Alanis curtindo os melhores momentos dela – com discografia, filmografia e maratona de séries no cardápio! Parabéns, Alanis! Morissette!

Lekkerding 237 posts

Cúspide e Gêmeos e Câncer. Corinthiana não praticante. Indie até os ossos. Advogada. Blogueira. Eterna estudante. Jogadora de handebol e de rugby, aposentada compulsoriamente. Fã de cerveja, de um bom papo, da internets e da (boa) política. Amante de David Bowie e de Florence & the Machine. Chata. Sem mais.

"Quem sabe respirar o ar de meus escritos sabe que é um ar das alturas, um ar forte. É preciso ser feito pra ele, senão há o perigo nada pequeno de se resfriar. O gelo está próximo, a solidão é monstruosa (...) Quanta verdade suporta, quanta verdade ousa um espírito? Cada vez mais tornou-se isto pra mim a verdadeira medida de valor. Erro não é cegueira, erro é covardia... Cada conquista, cada passo adiante no conhecimento é consequência da coragem, da dureza consigo, da limpeza consigo... Eu não refuto os ideais, apenas ponho luvas diante deles... Lançamo-nos ao proibido: com este signo vencerá um dia minha filosofia, pois até agora proibiu-se sempre, em princípio, somente a verdade."

Friedrich Nietzsche

Porque toda semana - lembrem-se, minhas semanas são relativas - deixarei algo bacana pra vocês verem/ouvirem. Espero que gostem das escolhas.